Azulejos enfeitam Palácio Imperial chinês num testemunho de Portugal global

/Azulejos enfeitam Palácio Imperial chinês num testemunho de Portugal global

Azulejos enfeitam Palácio Imperial chinês num testemunho de Portugal global

Num dos vários ‘siheyuan’ – a tradicional residência chinesa construída em torno de pátios espaçosos – do Antigo Palácio Imperial da China, dezenas de painéis de azulejos exibem nas próximas semanas o caráter “global” da história portuguesa.

“É uma plataforma que demonstra o entendimento entre os portugueses e todos os povos com quem estivemos em contacto”, resumiu Alexandre Pais, curador do Museu Nacional do Azulejo, à agência Lusa, em Pequim, sobre a exposição “O País Das Cidades Vidradas”.

Inaugurado na presença da ministra portuguesa da Cultura, Graça Fonseca, e do seu homólogo chinês, Luo Shugang, a exposição reúne várias épocas daquela manifestação plástica portuguesa – desde a herança do período islâmico à modernidade.

O espaço da exibição será igualmente simbólico para os anfitriões chineses: o museu da Cidade Proibida, complexo construído durante a dinastia Ming (1368-1644) e onde residiram 24 imperadores chineses, que se sucederam durante mais de 500 anos.

Outrora fechado aos cidadãos comuns, sendo a entrada punível com pena de morte, o antigo Palácio Imperial é agora a principal atração turística da capital chinesa.

Ontem, e apesar de as temperaturas superarem os 30 graus e de a poluição desaconselhar atividades ao ar livre, milhares de turistas enchiam as vielas e pátios daquele complexo.

“Tentámos trazer peças que refletissem não só a relação com a China, mas também a relação com a Índia, a Pérsia, o Islão, com os países baixos”, explicou Alexandre Pais.

O objetivo é “demonstrar que os portugueses têm uma predisposição global para os outros povos, outras culturas, e que isso é refletido no azulejo”, acrescentou.

Ilustrações de cenas históricas da expansão marítima, peças religiosas e laicas, refletindo o quotidiano, mas também paisagens chinesas, com base em descrições e gravuras que outrora chegavam à Europa, mostram o azulejo como um “lugar de encontro de culturas”, descreveu Graça Fonseca.

“Este conjunto selecionado do Museu Nacional do Azulejo permite contar a história desta arte que admiramos e estimamos, e muito nos honra partilhar com o público chinês esta expressão artística, que nos enriquece enquanto país e cultura”, afirmou a ministra.

A exposição insere-se nas celebrações do Festival de Cultura Portuguesa na China.

Outros eventos culturais vão realizar-se ao longo de 2019, incluindo festivais de cinema, literatura, teatro ou música, em paralelo com o ano da China em Portugal, num programa pensado pelos dois governos.

Em declarações à agência Lusa, no início de uma visita oficial de três dias à China, Graça Fonseca lembrou que a cultura é uma das áreas estratégicas da cooperação entre Pequim e Lisboa.

A ministra portuguesa previu uma maior presença de agentes culturais portugueses no país asiático, a partir deste ano.

“A ideia é integrar, cada vez mais, estruturas” da cultura portuguesa “naquilo que possam ser rotas programadas e calendarizadas na China”, apontou.

Fonte: Lusa

Por | 2019-06-12T06:47:04+00:00 12 de Junho de 2019|Categorias: Cultura|, |0 Comentários

Sobre o autor:

Somos

Deixe um comentário