Cabo Verde elege 2019 como ano da morna que deverá ser Património Mundial

/Cabo Verde elege 2019 como ano da morna que deverá ser Património Mundial

Cabo Verde elege 2019 como ano da morna que deverá ser Património Mundial

Cabo Verde elegeu 2019 como o ano dos eventos da morna, período em que serão realizadas várias atividades, antecedendo ao anúncio do género musical como Património Imaterial da Humanidade, o que deverá acontecer em dezembro.

O anúncio foi feito à imprensa, na Praia, pelo presidente do Instituto do Património Cultural (IPC), Jair Fernandes, no âmbito de uma conferência que assinala, pela primeira vez, o Dia Nacional de Morna, instituído em fevereiro no parlamento cabo-verdiano.

O 03 de dezembro nasceu Francisco Xavier da Cruz, mais conhecido por B. Léza (1905 – 1958), considerado um dos maiores compositores do género musical do país.

O dia visa homenagear todos os outros compositores, músicos e intérpretes, exaltar e reconhecer a sua importância e chamar atenção da sociedade cabo-verdiana para a necessidade de valorização do género musical.

Cabo Verde assinala o dia pela primeira vez, oito meses após entregar na Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (UNESCO, em inglês) a candidatura do género musical a Património Imaterial da Humanidade.

A decisão será anunciada na próxima reunião do Comité do Património Cultural Imaterial da UNESCO, a realizar na Colômbia, em dezembro do próximo ano.

Durante todo o próximo ano, Jair Fernandes disse que as atividades, que constam do plano de salvaguarda, serão realizadas no país e na diáspora e serão monitoradas pela UNESCO.

“Estamos a pensar em algumas conferências na diáspora e com a diáspora, atividades de cariz cultural, galas e promoções da morna e dos novos talentos e chamar a corresponsabilização das outas entidades que também têm estado a trabalhar na promoção da morna”, indicou.

O dossiê foi entregue em março e as autoridades cabo-verdianas garantiram  que não mereceu nenhuma observação por parte da UNESCO até o mês de setembro, altura em que poderiam ser feitas alguns reparos à candidatura.

As atividades comemorativas ao Dia da Morna prosseguem durante todo o mês de dezembro, entre elas uma homenagem a Cesária Évora e receção dos imigrantes no aeroporto da Praia com serenatas.

“A ideia é mostrar a dimensão diaspórica da morna, mas também a morabeza (arte de bem receber) que está implícita no próprio género”, afirmou Jair Fernandes, considerando que o país deveria definir dias nacionais para outros géneros musicais.

“Seria fazer um pouco juz ao riquíssimo património cultural que temos em Cabo Verde, no caso particular o património imaterial”, sustentou, pedindo também uma “reflexão muito mais aprofundada” em relação à cultura cabo-verdiana.

“Entrando na agenda pública e política podemos pensar mais do que dias festivos ou comemorativos desses traços culturais”, mas também incluir na reflexão a “parte financeira que tem que sustentar, os recursos humanos que são necessários, para se fazer um trabalho um pouco mais alargado e aprofundado”, mostrou.

Além da conferência, a efeméride está a ser comemorada no país com várias atividades como tertúlias, exposições, espetáculos, e envolvendo várias instituições.

Fonte: Lusa

Por | 2018-12-04T05:33:47+00:00 4 de Dezembro de 2018|Categorias: Cultura||0 Comentários

Sobre o autor:

Somos
Multiplataforma de comunicação numa mesma língua que junta contadores de estórias de Macau, da China e de todos os espaços do universo lusófono.

Deixe um comentário