IPOR abre delegação em Pequim até novembro, centro de línguas em Chengdu ainda este ano

/IPOR abre delegação em Pequim até novembro, centro de línguas em Chengdu ainda este ano

IPOR abre delegação em Pequim até novembro, centro de línguas em Chengdu ainda este ano

O diretor do Instituto Português do Oriente (IPOR) disse, em entrevista à agência Lusa, que estará a funcionar em novembro uma delegação em Pequim e um centro de línguas na cidade chinesa de Chengdu até final do ano.

Em relação à delegação na capital chinesa, a ideia é “começar já dentro de um mês, mês e meio, (…) em produção já em finais de outubro”, ainda que o cenário “mais realista” aponte para “início de novembro”, esclareceu Joaquim Coelho Ramos.

O projeto começou a ser trabalhado no início do ano e neste momento “ir trabalhar para a China depende apenas de questões administrativas”, adiantou.

Em maio, aquando da visita do Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, um protocolo assinado entre o Camões-Instituto da Cooperação e da Língua e a Sociedade de Jogos de Macau definiu a constituição de um fundo para apoiar a difusão e promoção da língua portuguesa na República Popular da China.

A abertura de uma delegação em Pequim é justificada “pelos pedidos constantes para formação em língua portuguesa não conferente de grau académico”, mas sim “para efeitos pragmáticos”, casos do “português económico e de introdução à língua portuguesa comunicacional”, indicou o responsável do IPOR, em funções em Macau desde agosto de 2018.

“Há muita gente a fazer cursos de português à distância através de videoconferência” e existem “muitos pedidos de regiões da China continental”, afirmou o diretor do IPOR, que assinala na quinta-feira o 30.º aniverário.

Razão pela qual, após análise do mercado, se entendeu que era importante ter uma presença física em Pequim, explicou o diretor do IPOR.

A mais-valia da delegação em Pequim, que não só garante um ensino personalizado e uma aprendizagem certificada, é também explicada por se poder assegurar localmente a formação de professores.

“Há uma vantagem em ter sempre um canal aberto” em todas as situações em que instituições como as universidades solicitem ajuda diretamente ao IPOR em Pequim, com a possibilidade ainda de se garantir algum reforço a partir de Macau, sublinhou Joaquim Coelho Ramos.

“O interesse está a crescer e era importante operacionalizar a resposta, e é isso que esta delegação vai fazer”, acrescentou.

Por outro lado, até final do ano, o IPOR quer abrir um centro de língua portuguesa em Chengdu, cidade chinesa da província de Sichuan (sudoeste), onde o instituto tem ministrado o ensino de português a médicos, enfermeiros e técnicos do Centro Internacional de Formação na área da Saúde e do Planeamento Familiar.

De resto, a província de Sichuan tem mantido uma relação estreita com os países de língua portuguesa, para onde a respetiva autoridade da saúde começou a enviar, desde 1976, equipas médicas.

“É um desafio” com dados “muito sólidos” que justificam a decisão, argumentou, lembrando o envolvimento destes profissionais de saúde nesses projetos de cooperação nos países lusófonos.

O IPOR conta com 27 funcionários a tempo inteiro que, com o apoio de algumas colaborações, procuram assegurar a vocação prioritária de promover o ensino da língua portuguesa, com uma vertente complementar focada na ação cultural.

Fundado a 19 de setembro de 1989 pela Fundação Oriente e pelo Camões-Instituto da Cooperação e da Língua, o IPOR exerce a sua atividade, além de Macau, em países como o Vietname, Tailândia e Austrália, estando para breve a concretização também de projetos em Pequim e Chengdu (China) e Nova Deli (Índia).

Fonte: Lusa

Por | 2019-09-18T08:11:35+00:00 18 de Setembro de 2019|Categorias: Educação, Sociedade||0 Comentários

Sobre o autor:

Somos
Multiplataforma de comunicação numa mesma língua que junta contadores de estórias de Macau, da China e de todos os espaços do universo lusófono.

Deixe um comentário