Lendas & Biodiversidade – Cruzar oralidade e ciência na ilha do Príncipe

/Lendas & Biodiversidade – Cruzar oralidade e ciência na ilha do Príncipe

Lendas & Biodiversidade – Cruzar oralidade e ciência na ilha do Príncipe

O projeto Lendas & Biodiversidade – ilha do Príncipe, participa na Bienal Florip​esfera I Bienal Cultural Transatlântica, que decorre na ilha, de 14 de Agosto a 14 de Setembro.

Numa parceria com a Fundação Príncipe, esta iniciativa multidisciplinar interliga biodiversidade local e tradição oral, através do desenvolvimento de ações científicas e artísticas.

Destinadas aos vários públicos da ilha, tem por objetivo fomentar a criatividade em torno dos recursos locais e, sobretudo, capacitar os participantes nas diversas competências abordadas.

Da escrita criativa, à ilustração científica; do uso do jogo e da escultura enquanto ferramentas de educação ambiental, aos fundamentos da comunicação de ciência; do registo da oralidade, à avaliação do potencial de biodiversidade de artrópodes, a equipa do projeto porá em prática uma malha interligada de actividades que almejam cultivar no local mais curiosidade e vontade de conhecer.

De 11 a 19 de Agosto, a equipa LBiP cumpre a fase II de um projeto desenhado em cinco etapas e que se prevê decorrer até junho de 2020.

Lendas & Biodiversidade – ilha do Príncipe é um projecto da responsabilidade dos biólogos Andreia Albernaz Valente, Joana Botelho Gusmão e Rui Miguel Carvalho.

Sob a coordenação científica de Maria do Céu Madureira (Centre for Functional Ecology – Science for People & the Planet – Universidade de Coimbra) está a ser desenvolvido  em parceria com a Fundação Príncipe, com a participação do ilustrador Pedro Mendes, da Elytrum – ​Ciência em jogo​s, AEPPMINUYIÉ-Associação de Estudantes do Príncipe em Portugal, entre outras entidades.

Fonte: Téla Nón

Por | 2019-08-08T06:53:47+00:00 8 de Agosto de 2019|Categorias: Cultura||0 Comentários

Sobre o autor:

Somos
Multiplataforma de comunicação numa mesma língua que junta contadores de estórias de Macau, da China e de todos os espaços do universo lusófono.

Deixe um comentário