Lusodescendente leva sabores de Portugal ao centro da China

/Lusodescendente leva sabores de Portugal ao centro da China

Lusodescendente leva sabores de Portugal ao centro da China

Filho de portugueses emigrados na Alemanha, o ‘chef’ Mário Vieira viveu em 18 países, antes de se instalar numa das mais vibrantes cidades da China, onde serve pratos tradicionais portugueses num resort de luxo.

“Os chineses gostam muito de marisco e de bacalhau”, diz à agência Lusa o lusodescendente, radicado há 12 anos em Changsha, cidade com cerca de oito milhões de habitantes e capital da província de Hunan.

“Também faço feijoada, cozido à portuguesa, trouxas de ovos ou pão-de-ló”, enumera. Outro prato que “sai bem” é o frango piri-piri: “Às vezes são duas da manhã e estou na piscina a fazer frango no churrasco”.

Mário Vieira nasceu na Alemanha há 50 anos, filho de um casal de Alcobaça, distrito de Leiria. Trabalha na cozinha há três décadas, com passagens por Grécia, Itália, Rússia, Egito, Tailândia ou Vietname.

Em 2007, uma firma alemã encarregou-o de uma visita de prospeção à China, para estudar a abertura de um restaurante.

“Fui do Norte ao Sul da China e quando cheguei a Changsha, com base na informação que obtive sobre os planos de desenvolvimento da cidade, decidi ficar”, recorda.

Não se enganou: Nos últimos dez anos, o PIB (Produto Interno Bruto) de Changsha cresceu 460%, o ritmo mais alto entre todas as cidades da China, segundo dados oficiais, refletindo a estratégia de Pequim de descentralizar a riqueza concentrada no litoral.

Capital da dinastia Han, há mais de dois mil anos, a cidade conservou poucos traços desse passado: dezenas de arranha-céus erguem-se hoje nas margens do rio Xiang, onde, quando Mário chegou, “não existia nada”.

“Aqui, numa semana, muita coisa muda. Não sei o que se vai passar nos próximos cinco anos”, descreve o lusodescendente, acrescentando que se identifica com a dinâmica local.

“Não há um dia igual”, diz.

A cidade é também sede da Hunan Broadcasting System, a segunda maior cadeia televisiva da China, a seguir à estatal CCTV, e produtora de alguns dos mais populares programas de televisão do país e da Mango TV, plataforma ‘online’ com cerca de 50 milhões de usuários diários e programação original.

Milhares de jovens chineses acorrem todos os anos a Changsha na esperança de integrarem a crescente indústria de entretenimento do país, alimentando uma vibrante vida noturna, com discotecas, bares de ‘karaoke’ e restaurantes cheios até de madrugada, durante toda a semana.

“O chinês de Changsha gosta muito de sair”, retrata Mário. “Esta cidade não para, durante 24 horas”.

Em 2014, Mário casou-se com uma chinesa, com quem, entretanto, teve um filho.

A ligação à gastronomia vem do pai, que era também ‘chef’ de cozinha e tinha um hotel e um restaurante na cidade alemã de Dusseldorf.

O pai queria que estudasse medicina ou que fosse para padre, mas Mário sempre quis ser chefe, “apesar dos sacrifícios” que a profissão exige.

“Tens que ter tempo para toda a gente, menos para ti”, aponta. “Os ‘chefs’ são como os palhaços: têm que fazer rir as pessoas, estejas cansado ou com problemas, tens que estar sempre pronto”, descreve.

De Portugal, que já não visita há quatro anos, diz gostar sobretudo da tranquilidade do norte: “Lisboa é muito interessante, mas eu prefiro o sossego”.

E sente saudades da costa, apesar das vastas praias do Oceano Pacífico.

“Não há cheiro igual ao do oceano Atlântico”, diz.

Fonte: Lusa

Por | 2019-07-16T06:45:59+00:00 16 de Julho de 2019|Categorias: Personalidade, Sociedade||0 Comentários

Sobre o autor:

Somos

Deixe um comentário