Moçambique: Maputo acolhe a quarta edição do Educa Moçambique

/Moçambique: Maputo acolhe a quarta edição do Educa Moçambique

Moçambique: Maputo acolhe a quarta edição do Educa Moçambique

Vai acontecer na capital de Moçambique, cidade de Maputo, a IV edição do EDUCA MOÇAMBIQUE – Feira e Conferência Internacional de Educação.

O evento é organizado pela CADE, Comunidade Académica para o Desenvolvimento, e o lema, para a presente edição, é “Juventude, Mulher, TIC’s no Desenvolvimento Sócio-económico de Moçambique: A Educação como Factor-Chave”.

EDUCA MOÇAMBIQUE vai acontecer de 23 a 25 de Maio, no campus universitário da Universidade Eduardo Mondlane.

Os Ministérios da Educação e Desenvolvimento Humano e da Ciência e Tecnologia, Ensino Superior e Técnico-Profissional, Universidade Eduardo Mondlane e Universidade Pedagógica constituem os principais parceiros dessa edição.

Nessa edição, para além da Feira e Conferência Internacional de Educação, o evento será corporizado pela mesa redonda de estudantes universitários (espaço de reflexão sobre diversas temáticas dedicado aos estudantes), jornadas científicas abertas, apresentação de projectos financiáveis, desfile de diversos modelos de uniformes escolares e, ao fim, far-se-á um festival de música e cores para angariar fundos com vista a apoiar as vítimas do ciclone Idai no centro do país.

A nível de eixos de debate, pontos como: educação, juventude, TIC’s, mulher, empregabilidade, empreendedorismo e ensino técnico-profissional serão de maior interesse em mesas abertas.

Neste momento ainda acontecem as inscrições para a Feira Internacional da Educação e, as instituições de diversos cantos do mundo já reservaram o seu espaço no evento.

Em paralelo, diversos especialistas, moçambicanos e estrangeiros, confirmam a presença na conferência internacional de Educação, o que mostra que será, deveras, um momento único de reflexão e debate.

O Educa Moçambique é uma plataforma de debate e convergência de ideias e de mostras sobre a Educação em Moçambique, região austral e a nível do espaço da lusofonia.

Fazem parte, também, instituições de diversos quadrantes do mundo fora. A plataforma reúne decisores políticos, estudantes, professores, empresários, pais e encarregados de educação para trocas de experiências e networking.

A I Edição do Educa Moçambique, teve lugar em 2015 na Universidade Eduardo Mondlane, sob o lema “Educar Moçambique”, contou com 200 delegados na conferência, 120 expositores e cerca de 30.000 visitantes, a II Edição em 2017, sob o lema “Emponderar os jovens através de Ciência, Tecnologia, Matemática e Engenharia como base para o desenvolvimento sustentável”, no Centro Internacional de Conferências Joaquim Chissano, com 250 delegados, 150 expositores e 50.000 visitantes.

Divulgar os resultados das pesquisas em curso ou concluídas, realizadas nas diferentes áreas do saber e o seu contributo para o desenvolvimento do país; estimular a reflexão sistemática das problemáticas educacionais nacionais; promover um ambiente de debate e de exposição dos resultados da investigação e inovação desenvolvida no país; promover a interacção entre sector empresarial, sociedade em geral e a comunidade académica do país, através dos seus produtos de investigação e inovação e inserir os estudantes num ambiente de reflexão académica constituem alguns objectivos da presente edição.

Refira-se que a Comunidade Académica para o Desenvolvimento (CADE), tem como a missão: melhorar a qualidade de vida dos moçambicanos através de programas, projectos sociais e pesquisas na área da educação, saúde e meio ambiente em todo território nacional onde a juventude e a sociedade no geral são os beneficiários e protagonistas deste movimento.

*Sérgio Simão – Jornalista e escritor em Moçambique, Maputo. Jornalista free lancer em diversos órgãos nacionais e internacionais. Escreve sobre sociedade e artes.

Por | 2019-04-24T15:39:14+00:00 24 de Abril de 2019|Categorias: Educação||0 Comentários

Sobre o autor:

Somos
Multiplataforma de comunicação numa mesma língua que junta contadores de estórias de Macau, da China e de todos os espaços do universo lusófono.

Deixe um comentário