Moira Forjaz expõe em Évora retratos de habitantes da Ilha de Moçambique

/Moira Forjaz expõe em Évora retratos de habitantes da Ilha de Moçambique

Moira Forjaz expõe em Évora retratos de habitantes da Ilha de Moçambique

Mais de 40 retratos fotográficos de habitantes da Ilha de Moçambique compõem a exposição “Ilhéus”, da autoria de Moira Forjaz, que vai poder ser visitada em Évora, a partir de dia 19, revelou  a organização.

A mostra, com entrada gratuita, é promovida pela Fundação Eugénio de Almeida (FEA) e vai estar patente ao público no Centro de Arte e Cultura (CAC) desta instituição, em plena acrópole da cidade alentejana, a partir das 10:00 de dia 19, e até final do primeiro trimestre do próximo ano.

A iniciativa reúne “um total de 44” retratos fotográficos da autoria de Moira Forjaz, dos quais “quatro são de grande formato e os restantes são de tamanho médio”, explicou hoje à agência Lusa o diretor do CAC, José Alberto Ferreira.

Os “grandes protagonistas” desta série de retratos que dá corpo a “Ilhéus” são “habitantes da Ilha de Moçambique”, na província de Nampula, em Moçambique, segundo a FEA.

“São ilhéus idosos que deixaram entrar a fotógrafa na sua intimidade, contando as suas vidas na primeira pessoa”, indicou a organização, realçando que os 44 retratos “devolvem” ao público “um olhar sobre a Ilha de Moçambique, cidade geminada com Évora, e traçam um caminho de luz e cor aproximando os lugares”.

Os trabalhos presentes na mostra, com curadoria de Paola Rolletta e patente na Sala Rostrum, no piso 0 do CAC, celebram a vida e comunidade da Ilha de Moçambique e “a sua proximidade histórica e cultural com Évora”.

“Esta viagem à Ilha de Moçambique é também uma forma de promover a proximidade de dois territórios com História e Património comuns, o que é particularmente relevante no atual contexto pandémico” da covid-19, “em que se alargaram distâncias e tornou-se longínquo o que já era longe”, vincou a FEA.

Numa exposição que pretende “abordar o facto de estar tudo dentro de um único grande céu”, e de “todos terem direito a um nome”, Moira Forjaz “exprime o seu interesse em capturar a essência e a vida do sujeito retratado, os seus sonhos, frustrações, deceções e satisfações”, assinalou.

“Ilhéus” presta, assim, “homenagem às pessoas especiais, vibrantes, interessantes e doces da Ilha de Moçambique, convidando os eborenses a estabelecer um diálogo com estas, mediado pela cor, pela luz e pela sombra que dominam os retratos”.

A artista “não está à procura de uma bela fotografia, não está presa à construção mental que induz observar o sujeito de um ponto de vista principalmente estético”, disse Paola Rolletta.

Ao invés disso, a intenção da autora é “capturar o espírito do sujeito. E o espírito é a própria vida e a sua dignidade”, explicou, destacando que “o percurso fotográfico de Moira é uma caminhada constante para encontrar o significado mais recôndito da existência humana”.

“Testemunho da aventura portuguesa de outros tempos”, o local retratado em “Ilhéus” é “o grande amor” da artista, que o conheceu em 1976 e onde vive atualmente.

Cidade geminada com Évora, desde 1997, a Ilha de Moçambique é igualmente Património Mundial pela Organização das Nações Unidas para a Educação, Ciência e Cultura (UNESCO), em reconhecimento da “singularidade da sua paisagem arquitetónica, realçada pelos sinais da expressiva presença dos portugueses, que ali chegaram no século XVI”, disse a FEA.

“Fortalezas, torres e igrejas testemunham a sua importância estratégica como escala de navegação da Carreira da Índia entre Lisboa e Goa, aberta por Vasco da Gama”, e, a juntar a isso, “serviu de morada ao poeta Luís de Camões e de inspiração para a mítica ‘Ilha dos Amores’ cantada n’Os Lusíadas”, frisou.

Devido à pandemia de covid-19, estão em vigor no CAC as medidas de prevenção epidemiológica recomendadas pela Direção-Geral da Saúde, sendo obrigatório o uso de máscara de proteção.

Fonte: Lusa

Por | 2020-09-14T05:04:20+00:00 14 de Setembro de 2020|Categorias: Arte|, |0 Comentários

Sobre o autor:

Somos
Multiplataforma de comunicação numa mesma língua que junta contadores de estórias de Macau, da China e de todos os espaços do universo lusófono.

Deixe um comentário