Mulheres apostam em cooperativa para o auto-emprego através da transformação de produtos da terra

/Mulheres apostam em cooperativa para o auto-emprego através da transformação de produtos da terra

Mulheres apostam em cooperativa para o auto-emprego através da transformação de produtos da terra

Quatro mulheres de São Nicolau uniram-se e criaram uma indústria agro-alimentar e de sabão de babosa há um ano e, hoje, em termos de produção local, são “líderes”.

A natureza verde em Canto de Fajã nesta altura permite-lhes produzir diferentes tipos de produtos, no entanto, a chuva que tem caído não lhes tem dado garantia de matéria-prima suficiente, de modo a pensarem no envio de mercadorias para outras ilhas ou outros países.

Além de doces, sumos, ponches e outros derivados de frutas existentes nessa região de clima fresco, essas operárias produzem sabão natural à base da babosa.

Esta cooperativa nasceu depois das quatro artesãs – Georgina Ambrósio, Olívia Costa, Sónia Lopes e Fátima Monteiro – terem recebido formação em transformação agroalimentar. Decidiram criar o Sabores do Canto para terem uma renda própria, mesmo que ainda limitada, e aproveitaram um espaço disponibilizado pela Câmara Municipal da Ribeira Brava para montar essa indústria.

À base de frutas e da babosa conseguem criar diferentes tipos de produtos e disponibilizar ao mercado local a preço competitivo. Além disso, os seus produtos apresentam a vantagem de serem confecionados com matérias naturais.

No futuro, caso houver matéria-prima abundante e as encomendas aumentarem, pretendem empregar mais pessoas. Não há uma tarefa definida para cada uma. “Todas nós fazemos sabões, sumos, ponches e outros produtos”, esclarece Georgina Ambrósio.

A artesã assegura que há muita demanda neste momento e, como a chuva resolveu visitar a ilha, mesmo que de forma tímida, há esperança de que a fruticultura aumente e, consequentemente, a produção do Sabores do Canto.

Este projeto foi possível graças também à participação da Câmara Municipal da Ribeira Brava e ao financiamento reembolsável da Comissão Regional de Parceiros, CRP, para a compra de equipamentos.

O futuro do negócio destas senhoras empreendedoras, que ainda trabalham muito à base de “amor”, passa por adquirirem estabilidade financeira, garantir os salários todos os meses e conquistar novos mercados.

Fonte: Mindel Insite

Por | 2018-12-06T05:49:06+00:00 6 de Dezembro de 2018|Categorias: Economia||0 Comentários

Sobre o autor:

Somos
Multiplataforma de comunicação numa mesma língua que junta contadores de estórias de Macau, da China e de todos os espaços do universo lusófono.

Deixe um comentário