Número de utentes de bibliotecas públicas aumentou nos últimos quatro anos em Angola

/Número de utentes de bibliotecas públicas aumentou nos últimos quatro anos em Angola

Número de utentes de bibliotecas públicas aumentou nos últimos quatro anos em Angola

O número de utentes de bibliotecas públicas em Angola registou, nos últimos quatro anos, um aumento de 65%, passando de 60.256, em 2014, para 288.240, em 2017, num universo de 29 bibliotecas públicas espalhadas pelo país, foi hoje anunciado.

Os dados foram transmitidos ontem pela ministra da Cultura, na primeira reunião da Comissão Multissetorial para o Acompanhamento e Implementação da Política Nacional do Livro e da Leitura em Angola, Carolina Cerqueira, a que também preside.

De acordo com a ministra, a Política Nacional de Leitura, cuja proposta e implementação consta dos objetivos da Comissão até 2022, visa a “mobilização de recursos e articulação de esforços do executivo e da sociedade civil”.

O objetivo é, explicou, “estabelecer prioridades e desenvolver programas que favoreçam a expansão do livro e da leitura e estruturar o mercado editorial e livreiro e fomentar as atividades comerciais e industriais relacionadas como o livro”.

A Comissão Multissetorial criada por Despacho Presidencial 123/18 de 11 de setembro tem entre outras atribuições, “estimular a circulação nacional do livro, avaliar e propor medidas visando o crescimento da indústria livreira” e “estimular o uso da capacidade gráfica nacional”.

Para a também ministra da Cultura, nos termos do Decreto sobre a Política Nacional do Livro e da Leitura, o livro deve ser “um bem a todos acessíveis” e deve “constituir um vetor fundamental na luta contra o analfabetismo e na produção do conhecimento”.

“Deve ser estimulado o desenvolvimento da atividade editorial, bem como, o fortalecimento do sistema grossista do livro, na modernização das livrarias, o surgimento de livrarias nos municípios e bairros, a produção de edições populares”, indicou.

E entre as atividades desenvolvidas no âmbito da promoção da leitura em Angola, a governante deu a conhecer que constam, entre outras, a realização anual de um “Jardim do Livro Infantil”, a existência de 29 bibliotecas públicas com salas de leitura.

A realização de cursos de capacitação profissional em biblioteconomia e a implementação de medidas que possibilitem o aumento do número de usuários das bibliotecas públicas constam igualmente das ações desenvolvidas.

Por sua vez, a ministra do Ensino Superior, Ciência, Tecnologia e Inovação de Angola, Maria do Rosário Sambo, membro da Comissão, falou, em declarações aos jornalistas, destacou o contributo do seu setor para promoção da política da expansão do livro e da leitura e referiu que estão a ser analisados os passos que já foram dados nesse sentido.

Fonte: Lusa

Por | 2018-10-24T06:06:54+00:00 24 de Outubro de 2018|Categorias: Cultura||0 Comentários

Sobre o autor:

Marta Pereira
Marta Pereira cursou Ciências da Comunicação na Universidade da Beira Interior, Covilhã, cidade onde nasceu. É produtora de rádio em Macau e jornalista em Portugal. Transita entre povos e destinos com a naturalidade de quem dá voz a desafios, os...
Ler mais sobre: Marta Pereira

Deixe um comentário