‘Padrinhos’ portugueses apoiam famílias são-tomenses na educação e na saúde

/‘Padrinhos’ portugueses apoiam famílias são-tomenses na educação e na saúde

‘Padrinhos’ portugueses apoiam famílias são-tomenses na educação e na saúde

Aos nove anos, já tem o futuro decidido: Liedson quer ser Presidente de São Tomé e Príncipe para “ajudar o país”. Por agora, é uma das mais de 500 crianças são-tomenses apadrinhadas no programa de apoio à educação da organização portuguesa Helpo.

O aluno do 4.º ano entra na creche da roça de Monte Café, distrito de Mé-Zochi, e Miguel Yeep, coordenador da Helpo em São Tomé e Príncipe, pergunta¬-lhe pelos óculos.

“Tirei, porque posso parti-los a jogar à bola”, justificou. Liedson queixava-se de não conseguir ver bem, e, depois de lhe ter sido diagnosticada miopia, a organização não-governamental portuguesa (ONGD) portuguesa ofereceu-lhe os óculos.

“A minha mãe levou-me ao hospital, passaram receita para comprar óculos para mim, a minha mãe não tinha dinheiro e o Miguel trouxe os óculos. Agora consigo ver bem o quadro” na sala de aula, descreveu.

Na creche de Monte Café, uma casa de dois pisos envelhecida, a Helpo recuperou os brinquedos no pátio, criou uma horta e equipou a biblioteca, mas também “ajuda na matrícula para os meninos estudarem”, relatou à Lusa a professora Eugénia Seabra.

Um ano letivo custa 250 dobras, pouco mais que dez euros, mas “há pais que não pagam, outros que pagam só metade”.

“As coisas têm mudado muito, muito mesmo”, graças ao apoio da organização portuguesa, garantiu a educadora.

A maior parte do financiamento das atividades da Helpo vem do programa de apadrinhamento: com 21 euros mensais, é possível apoiar uma criança, de quem os ‘padrinhos’ recebem cartas duas vezes por ano, mas o valor reverte para toda a comunidade escolar. A partir do quinto ano de escolaridade, os ‘padrinhos’ podem suportar todas as despesas de um aluno durante um ano letivo, com uma doação única de 55 euros.

A Helpo está no terreno em São Tomé e Príncipe desde 2009, apoiando crianças desde a creche até ao ensino superior.

“Vamos às comunidades, sabemos das dificuldades que os pais têm para manter as crianças nas escolas. Em Portugal, a organização procura as pessoas que querem ajudar, e faz-se a ligação com os ‘padrinhos’”, disse à Lusa o coordenador da ONGD no país, Miguel Yeep.

Em alguns casos, os ‘padrinhos’ acabam por viajar até São Tomé e Príncipe para conhecer a criança que têm apoiado e a Helpo leva-os “a visitar a comunidade”.

“O ‘padrinho’ tem a perceção de quem está a ajudar e fica a conhecer a pessoa e onde vive”, relatou.

Além dos apadrinhamentos, a Helpo recorre a financiamentos de organizações, como o Camões – Instituto da Cooperação e da Língua, ou da Unicef.

Monte Café localiza-se à beira da única estrada que liga a capital, São Tomé, ao sul da ilha. Mais dentro da floresta, fica a roça de São Nicolau, um pequeno conjunto de casas degradadas.

Uma delas, em madeira, é a creche, cujo aspeto envelhecido contrasta com o muro azul-céu acabado de construir. Aqui, a Helpo cercou o pátio da escola e ofereceu os escorregas e brinquedos de madeira, além de ter fornecido material escolar.

Na sala, com cerca de 20 crianças até aos cinco anos, a atração é um ‘boneco’ verdadeiro: uma das auxiliares acaba de dar de mamar ao seu bebé, com dois meses, e deita-o num berço. Imediatamente, várias meninas aproximam-se da cama e fazem festinhas ao recém-nascido.

“Cuidado, não magoes o bebé”, avisa uma funcionária.

Aos meninos mais crescidos, a Helpo oferece um ‘kit’, com mochila, cadernos e outros materiais escolares, para o ingresso na escola primária.

Mas, para as crianças desta localidade, a entrada para o ensino primário significará uma outra realidade: a única escola é a de Monte Café e por isso as crianças têm de passar a percorrer, todos os dias, a pé, vários quilómetros entre as duas localidades.

Vão em pequenos grupos, montanha abaixo, e por isso qualquer boleia é bem-vinda. É com entusiasmo que as crianças rapidamente ocupam os lugares de um carro ou sobem para a caixa aberta de uma carrinha, enquanto cantam, animados.

Noutra localidade, a roça da Saudade, o apoio da Santa Casa da Misericórdia e da OGND portuguesa permitiu construir uma escola nova, um sonho antigo da professora Natália Silva, que se concretizou depois de “bater a muitas portas”.

Ainda na escola antiga, os visitantes são recebidos com uma canção: “Que bom que você veio, foi Jesus quem te chamou, e você aceitou, que bom”, entoam as crianças, que acompanham o ritmo com palmas. Aqui, estão cerca de 45 crianças até aos cinco anos.

“A nossa maior dificuldade era ter a escolinha maior. Isso já está superado”, contou à Lusa, admitindo que, dentro do país, “é difícil encontrar apoios”, mas “de Portugal” recebem muitas ajudas, e às vezes chegam a oferecer materiais a outras escolas.

Em Ribeira Afonso, distrito de Cantagalo, uma comunidade pobre, Carolina Reynolds, nutricionista, apoia crianças e mães a nível nutricional, a outra área de atuação da organização portuguesa em São Tomé.

“Vá lá ao posto. O menino deve ter lombriga”, diz a médica a uma mãe, olhando para um dos filhos, com a barriga inchada. “E que unhas são essas? Tem de lhas cortar”, avisa. “Eu sei, doutora, eu vou tratar disso”, responde a mulher.

Quando são detetadas carências na alimentação, as crianças mais crescidas recebem reforço alimentar com leite e feijão, e aos bebés, é dado leite de fórmula.

“Muitas vezes [o problema] não é a escassez do alimento, mas a forma como o alimento é dado. Temos muitas mães com um nível de rendimento muito baixo, e a escassez pode ser uma realidade”, comentou a médica, explicando que São Tomé e Príncipe “é um país de terras férteis, é preciso é fazer chegar estes alimentos às crianças e às famílias”.

Muitas crianças também sofrem de parasitoses intestinais, o que dificulta a correta absorção dos nutrientes, e por isso têm de ser tratadas com medicamentos.

Nos casos mais graves, de “desnutrição acentuada”, as crianças são mesmo internadas.

Outros problemas, nas mães, são a anemia e o elevado consumo de álcool– a bebida mais comum é o vinho da palma, extraído das palmeiras, que vai fermentendo ao longo do dia, ganhando teor alcoólico.

“O objetivo é promover alimentos e hábitos saudáveis, a par com a equipa mais clínica, e tentar resolver estes problemas que têm como consequência a desnutrição”, relatou.

Na área da nutrição, o apadrinhamento da Helpo permite apoiar cerca de 90 crianças e mães.

Fonte: Lusa

Por | 2018-10-30T08:25:08+00:00 30 de Outubro de 2018|Categorias: Sociedade||0 Comentários

Sobre o autor:

Somos
Multiplataforma de comunicação numa mesma língua que junta contadores de estórias de Macau, da China e de todos os espaços do universo lusófono.

Deixe um comentário