Semana de arte no feminino durante oito dias na Figueira da Foz

/Semana de arte no feminino durante oito dias na Figueira da Foz

Semana de arte no feminino durante oito dias na Figueira da Foz

A Semana Arte Mulher começa na sexta-feira, dia 15, e decorre até dia 22 na Figueira da Foz, propondo conferências, exposições, música e teatro, entre outras iniciativas, com temas e protagonistas ligados ao universo feminino.

O evento, que visa homenagear e valorizar a mulher através da produção artística, promovendo, segundo a organização, a cultura e língua portuguesa “através da dinamização de ações e debates em torno de questões sobre a cidadania, a paridade e temas de cariz sociocultural”, tem caráter bienal e realiza-se, alternadamente, no município localizado no litoral do distrito de Coimbra e na cidade brasileira de Recife, onde começou em 2018.

“É uma demonstração das capacidades das mulheres em todas as vertentes”, disse ontem Mafalda Azenha, vereadora da autarquia da Figueira da Foz, resumindo o programa da Semana Arte Mulher.

Este inclui, nos primeiros três dias, outros tantos espetáculos de teatro de rua, na baixa da cidade, pela companhia “Nós as Duas”, as palhaças brasileiras Tâmara Floriano e Regiane Cunha, que estão a realizar uma residência artística na Figueira da Foz e que, entre dia 20 e dia 22, protagonizam outro espetáculo – A mulher palhaça (também) vai à escola – em estabelecimentos de ensino do concelho.

Sábado, um dos pontos altos do programa consiste na entrega do prémio “Maria Barroso – Jornalismo pela Paz e pelo Desenvolvimento” a Maria Antónia Pala. Domingo, no auditório municipal, decorre a peça de teatro “Maria Senhora de Mim”, pela companhia Páteo das Galinhas, seguida de uma conversa, moderada pela jornalista Sílvia Lima Rato, com as atrizes Isabel Cardoso, Helena Adão e Lígia Bugalho, e o autor da peça e escritor António Tavares.

Segunda-feira, às 14:30, decorre a apresentação de um programa de intercâmbio de políticas de género com a presença da Secretária da Mulher do Recife, Cida Pedrosa, e, à noite, a partir das 23:00, o jardim interior do Centro de Artes e Espetáculos (CAE) recebe um espetáculo musical com Beto do Bandolim, acompanhado por Geraldo Maia, Clarisse Fernandes e e Walmir Chagas.

A 20 de março, uma quarta-feira, estreia a nível nacional, no grande auditório do CAE, às 22:00, a peça “O Bojador”, baseada na obra de Sophia de Mello Breyner Andresen, encenada por Moncho Rodriguez, com música original de Martim Sousa Tavares.

Meia hora antes, no jardim interior deste equipamento cultural, Ana Madureira recita poemas de Sophia de Mello Breyner Andresen, junto aos esboços das esculturas originais (colocadas no parque dos Poetas, em Oeiras) daquela escritora e de Natália Correia e Florbela Espanca.

A Semana Arte Mulher inclui ainda uma sessão dedicada a Cristina Torres, no dia 21, uma quinta-feira, no auditório municipal, tendo a autarquia da Figueira da Foz em curso um projeto para erguer na cidade, daqui por dois anos, uma escultura de homenagem, quando se completarem 130 anos do nascimento da professora e símbolo local da luta contra a ditadura, nascida em 1891.

O encerramento decorre a no dia 22 , uma sexta-feira, com a entrega dos prémios Semana Arte Mulher, em oito categorias, distinguindo 30 mulheres portuguesas e brasileiras (quatro a título póstumo), e um concerto de Beatriz Pessoa.

Avelina Ferraz, da Editora Novembro, que organiza o evento em colaboração com a autarquia local, destacou a “identificação geográfica” entre a cidade brasileira de Recife e a Figueira da Foz, ambas localizadas junto ao mar, lembrando que a capital do estado de Pernambuco, no nordeste do Brasil, tem uma avenida com 13 km, denominada Boa Viagem, o mesmo nome da serra localizada a norte da cidade portuguesa.

Do programa do evento consta ainda um protocolo de desenvolvimento de políticas de género entre as duas cidades – que chegou a ser anunciado anteriormente como de geminação – mas que a vereadora Ana Carvalho esclareceu tratar-se do “início de um processo” que poderá resultar na geminação futura, a partir de projetos comuns.

Ana Carvalho lembrou ainda, a propósito do protocolo de desenvolvimento de políticas de género, que a Figueira da Foz possui um plano de ação municipal para a promoção da “linguagem inclusa”, entre outras iniciativas.

Fonte: Lusa

Por | 2019-03-14T05:23:16+00:00 14 de Março de 2019|Categorias: Arte, Cultura||0 Comentários

Sobre o autor:

Somos
Multiplataforma de comunicação numa mesma língua que junta contadores de estórias de Macau, da China e de todos os espaços do universo lusófono.

Deixe um comentário