IV Edição Do Concurso De Fotografia: “Somos – Imagens Da Lusofonia: Na Solidão Dos Dias”

A Somos! – Associação de Comunicação em Língua Portuguesa (Somos — ACLP) vai lançar, no dia 24 de julho, a quarta edição do concurso de fotografia “Somos – Imagens da Lusofonia”, subordinada ao tema “Na solidão dos dias”. Depois de um hiato de cerca de dois anos, devido às medidas de combate à pandemia de COVID-19, na edição deste ano, a associação desafia os participantes a fazerem uma autorreflexão e a submeterem fotografias que simbolizem justamente o tipo de solidão vivido naqueles dias de restrições impostas globalmente pelas autoridades sanitárias.

Com a declaração, em Maio, pela Organização Mundial da Saúde (OMS), do fim da pandemia de COVID-19, as interações sociais, bem como as atividades conjuntas parecem ter definitivamente normalizado, mas fica ainda a marca indelével dos dias de encerramento, afastamento e circunscrição. A pandemia de COVID-19 marcou o nosso quotidiano nos últimos anos, agravando a solidão e o isolamento social, em todo o mundo, o que inevitavelmente distanciou povos, nomeadamente dos Países de Língua Portuguesa e Macau. Fortes medidas restritivas, como confinamentos e encerramento de fronteiras, limitaram as viagens, e também a movimentação de pessoas dentro dos próprios países e áreas de residência. Estas políticas causaram medo, solidão e deixaram-nos órfãos de afetos.

A Somos — ACLP pretende, portanto, reunir imagens que retratem como a pandemia mudou a nossa vida e mesmo fragmentos desses momentos de solidão originados pela pandemia, por exemplo em contextos hospitalares, em lares, escolas, nos quartos de casa… As fotografias devem ser capazes de transbordar o que sentiram as comunidades dos Países de Língua Portuguesa e de Macau nesse período e – agora com o devido distanciamento – dar uma visão de como se vai fechando esse ciclo de solidão. Por outro lado, podem igualmente destacar o que não voltou ao que era, os aspetos aos quais a pandemia atribui um caráter de imutabilidade.

O concurso “Somos – Imagens da Lusofonia 2022/23 destina-se a todos os cidadãos dos países e regiões da Lusofonia ou residentes de Macau que possuam fotografias de qualidade, e enquadradas com o tema selecionado, tiradas em Angola, Brasil, Cabo Verde, Guiné-Bissau, Macau, Moçambique, Portugal, São Tomé e Príncipe, Timor-Leste e Goa, Damão e Diu. Esta é uma das iniciativas anuais da Somos — ACLP, com as quais a associação procura promover uma maior proximidade e entendimento, através de Macau, entre os países e regiões de língua oficial portuguesa.

As fotografias que respeitarem o tema e os critérios do regulamento serão admitidas a concurso e caberá posteriormente ao júri de profissionais da área da fotografia a escolha das três vencedoras, às quais serão atribuídos prémios pecuniários no valor de 10 mil patacas ao primeiro classificado, 5 mil patacas ao segundo e 3.500 patacas ao terceiro.

Essas imagens farão ainda parte de uma exposição subsequente, a ser organizada pela Somos — ACLP e com a curadoria do fotógrafo António Sanmarful, conjuntamente com outras fotografias selecionadas pelo júri pela sua relevância ou valor para o tema do concurso fotográfico e para o propósito da Somos — ACLP de projetar a dimensão cultural da Lusofonia, assim como o papel de Macau enquanto plataforma que une a China e os países/regiões de Língua Portuguesa.

A inscrição no concurso fotográfico é gratuita e pode ser efetuada através do formulário que se encontra no website da Somos — ACLP (www.somosportugues.com), entre 24 de julho até 31 de agosto.

Referências biográficas dos elementos do júri:

Gonçalo Lobo Pinheiro (presidente do júri) – Fotojornalista português radicado em Macau há 13 anos, somando vários anos de carreira. Colaborou com diversos jornais e revistas portugueses e de Macau. Vencedor de diversos prémios, já realizou exposições individuais e coletivas. É atualmente fotojornalista e colaborador da Agência Lusa em Macau.

Marcio Pimenta – é fotógrafo e explorador, baseado no Brasil. É membro do The Explorers Club e um Explorador National Geographic. Tem viajado extensivamente documentado questões históricas, humanas e socioculturais. Em 2016 e 2017, esteve no Iraque para cobrir a guerra contra o ISIS e o renascimento das mulheres yazidis, o que resultou no seu primeiro livro de fotografias, publicado em 2020, intitulado “Yazidis”. Em 2023 realizou uma expedição solitária pela Patagônia para documentar o legado de Charles Darwin na região.

Henry Milleo – é fotógrafo e editor de fotografia freelancer baseado no Brasil e atua nas áreas de fotojornalismo, fotografia documental e vídeo-jornalismo no Brasil e na América Latina. Foi vencedor do Prémio New Holland de Fotojornalismo, em 2012, e um dos vencedores do POY Latam (Pictures of the Year), em 2013 e 2017. As suas fotografias já foram publicadas em jornais de referência mundial como The Washington Post, The New York Times, The Guardian, Le Monde e El País, entre outros.

Rui Miguel Pedrosa – é um fotógrafo e videógrafo, natural de Leiria. Fotojornalista independente desde 2008, tem publicado nos mais destacados jornais e revistas nacionais e internacionais. Em 2017, a convite do Santuário de Fátima, foi o fotógrafo oficial da visita do Papa Francisco ao santuário, no âmbito do Centenário das Aparições de Fátima.

Francisco Ricarte – é um arquiteto português, baseado em Macau, e entusiasta e praticante de fotografia desde 1976. É membro da Direção da associação HALFTONE – Macau Photographic Association. A fotografia tem sido um modo crítico e criativo de expressar o seu entendimento do mundo, quer no contexto da sua prática profissional de arquiteto e urbanista, quer da sua vivência pessoal e social. Para além da atividade expositiva, tem ainda publicados três livros de fotografia.

Partilhe esta história, escolha a plataforma!

Relacionados